Pesquisar este blog

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

SAÚDE BRITÂNICA

País sério é outra coisa!!!!
Vejam como é o tratamento do sistema britânico de saúde.
Fazia comentários sobre esse sistema nas aulas de Direito Previdenciário e esse vídeo é ainda mais esclarecedor.
Esse sistema britânico decorre do Relatório do Lord Beveridge de 1941, reformado em 1946 e efetivado com sucesso em 1948.
É o sistema que o Brasil tentou copiar, ao menos no papel.
Reflitam!
JD

video

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

RS: juiz é demitido por elogios inconvenientes a jovem

PELO MENOS O TJ DO RS É SERIO. TEVE A DECÊNCIA DE DEMITIR UMA PESSOA QUE NÃO SABE O QUE É SERVIÇO PÚBLICO E QUE ESTÁ A SERVIÇO DA REPÚBLICA, DE TODOS.
JD

http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI4934490-EI8139,00-RS+juiz+e+demitido+por+elogios+inconvenientes+a+jovem.html

RS: juiz é demitido por elogios inconvenientes a jovem
08 de fevereiro de 2011 09h29 atualizado às 10h48 


O juiz Marcelo Colombelli Mezzomo, da Comarca de Três Passos (RS), recebeu uma inédita pena de demissão no Judiciário gaúcho, após processo administrativo disciplinar por conduta incompatível com as funções de magistrado. Em 29 de maio de 2010, foi registrada queixa contra ele na Delegacia de Polícia do município. O magistrado teria ido a uma sorveteria e feito comentários e elogios impróprios à nora da dona do estabelecimento, com comportamento visivelmente alterado. O marido da proprietária pediu que ele deixasse o local. O juiz nega ter agido de forma inconveniente e diz que apenas elogiou a beleza da moça. A decisão unânime foi tomada em sessão pública nesta segunda-feira.
Wilson e Lori Neuhaus, ambos de 48 anos e proprietários da sorveteria, contaram nos autos que o juiz não revelou sua identidade e disse que "queria cobiçar a menina". Quando disse que era casada, ele teria dito: "Não quero saber se é casada ou não." Após Wilson mandar o cliente se retirar, ele respondeu: "Vocês pagam o meu salário, então vou indo."
Mezzomo havia sido nomeado em 2007 e estava afastado desde julho passado em razão do processo administrativo. Ele havia encaminhado pedido de exoneração, que foi negado até o julgamento pelo Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, que o suspendeu do cargo.
Para o relator do processo, desembargador Luiz Ari Azambuja Ramos, a condenação se deu devido à convicção dos proprietários da sorveteria ao relatar o ocorrido. "Não parece razoável a possibilidade de que as ofendidas fossem fantasiar uma situação inexistente, mesmo sabendo posteriormente que estavam acusando um juiz da Comarca", ponderou. O relator também enfatizou que Mezzomo já havia sofrido pena de censura em processo administrativo por envolvimento em acidente de trânsito e respondia a diversos outros processos por conduta inadequada.